Publicado em 11 de maio de 2016 às 16:16

Olimpíadas 2016: 8 recantos escondidos no Rio de Janeiro

Que tal conhecer outros paraísos intocados da Cidade Maravilhosa?

Como diz Gilberto Gil: “O Rio de Janeiro continua lindo. O Rio de Janeiro continua sendo. O Rio de Janeiro, fevereiro e março. Alô, alô, Realengo, aquele abraço!

Durante os meses de agosto e setembro, a Cidade Maravilhosa recebe os Jogos Olímpicos de 2016 – o maior evento esportivo do mundo.

E hospedar um espetáculo desse não é para qualquer destino, não. Segundo o governo carioca, são esperados mais de 500 mil visitantes para acompanhar de perto o RIO-2016.

Para entreter tantos viajantes, a cidade oferece ruas, praias e ponto turísticos para lá de famosos. Porém, se o Estado receber o número já esperado de pessoas, é certo que esses locais vão estar, na grande maioria dos dias, lotados.

No entanto, a boa notícia é que, mesmo no período dos jogos, a Cidade Maravilhosa ainda é capaz de oferecer verdadeiros refúgios desconhecidos do público em geral. Essa será uma ótima oportunidade de conhecer o Rio de Janeiro por um outro ângulo.

Com os clássicos Pão de Açúcar, Cristo Redentor e as praias da Zona Sul abarrotados de gente, a dica para os mais calmos é procurar outros recantos na cidade. Cachoeiras, parques, trilhas e até mesmo praias podem ser uma boa opção.

Ficou interessado? Conheça 8 lugares que são verdadeiros segredos da Cidade Maravilhosa!

Parque Lage

Divulgação

Divulgação

Localizado no bairro do Jardim Botânico, o Parque Lage nem fica tão escondido assim, pois está ao lado da Lagoa Rodrigo de Freitas. No entanto, seus mais de 50 hectares de vegetação nativa garantem um verdadeiro refúgio em meio ao burburinho da cidade. O parque fica aos pés do Corcovado, e oferece uma linda vista para o Cristo Redentor. Além disso, o local ainda abriga um belíssimo palácio tombado, que é utilizado como sede da Escola de Artes Visuais do Rio de Janeiro. Piqueniques são comuns por lá, e a entrada é gratuita.

Paineiras

Divulgação

Divulgação

Situada no coração do Parque Nacional da Tijuca, a Estrada das Paineiras é um trecho asfaltado da Floresta da Tijuca, ideal para caminhadas e passeios de bicicleta. Cercada por densa vegetação, a estrada ainda possui algumas pequenas cachoeiras naturais, onde é possível se refrescar. No entanto, para nossa tristeza, o local só fica fechado para tráfego de carros durante os finais de semana e feriados. Por isso, vá apenas nessas datas.

Trilha da Pedra Bonita

Divulgação

Divulgação

Uma das trilhas mais populares do Rio de Janeiro, a Pedra Bonita requer caminhadas leves em meio à vegetação da Floresta da Tijuca. Seu topo oferece uma vista exuberante para quase toda a orla da Zona Sul, da Barra da Tijuca e até Niterói. É um verdadeiro refúgio para os mais aventureiros.

Cachoeiras do Horto

Divulgação

Divulgação

Um dos refúgios preferidos dos cariocas, as cachoeiras do Horto são um conjunto de córregos e quedas d’água situados no bairro do Jardim Botânico. O local tem fácil acesso pela Rua Pacheco Leão, e oferece boas trilhas em meio à vegetação típica do Parque Nacional da Tijuca. A mais famosa cachoeira do local é a Cachoeira do Chuveiro, que não requer grandes esforços para ser acessada.

Parque Marapendi

Reprodução/ Alexandre Macieira/Riotur

Reprodução/ Alexandre Macieira/Riotur

Situado em uma região de manguezal e restinga, o Parque Marapendi se estende por boa parte da faixa litorânea dos bairros da Barra da Tijuca e do Recreio dos Bandeirantes. É uma das melhores alternativas para quem vai viajar durante o período das Olimpíadas, já que fica na mesma região do Parque Olímpico. O parque faz parte de uma reserva ambiental que abriga diversas espécies nativas, como tucanos, preguiças, caranguejos e jacarés. O local conta passeios guiados e trilhas que percorrem por seu território. Fica aberto para visitação de terça-feira a domingo das 8h às 17h.

Praia da Joatinga

Divulgação

Divulgação

Apesar de ficar dentro de um condomínio fechado, a Joatinga nem sempre está deserta e costuma encher nos finais de semana. Situada entre os bairros de São Conrado e Barra da Tijuca, esta praia é muito procurada por famosos e pessoas que querem fugir da agitação da Zona Sul. O acesso pela Estrada do Joá é feito apenas de carro ou moto (pouquíssimos ônibus passam por ali) em um conjunto de residências que controla a saída e a entrada de banhistas. De lá, os visitantes descem uma pequena trilha até chegar à faixa de areia, que é pouco extensa e fica incrustada em uma imponente falésia. Recomenda-se chegar cedo, pois além do número limitado de vagas para estacionar, o local só é acessível em períodos de maré baixa. Quando o mar se eleva, as águas engolem toda a areia da praia.

Praia do Perigoso

Divulgação

Divulgação

A Praia do Perigoso não faz jus ao nome. É uma praia calma, com águas transparentes e um cenário pouco conhecido mesmo pelos cariocas. Reza a lenda que ela tem este nome porque era rota de fuga dos presidiários que fugiam do presídio de Ilha Grande. Apesar de seu relativo isolamento, costuma encher nos finais de semana, e se tornou um dos “points” nos últimos anos. É possível acampar por lá!

Praia do Inferno

Divulgação

Divulgação

Perto da Praia do Perigoso, a Praia do Inferno é, talvez, a mais remota faixa de areia da Cidade Maravilhosa. Recomenda-se ir acompanhado de guias ou pessoas com conhecimento da região, pois a trilha é mais complicada. Além disso, é importante que os visitantes levem águas e alimentos, visto que a caminhada é longa e não há ambulantes por lá. O ambiente selvagem é a principal atrativo do local, que tem águas agitadas.

Relacionadas aos Jogos Olímpicos Rio-2016

Olimpíadas: Rio decreta 4 feriados em agosto
RIO-2016 terá distribuição de ingressos grátis para alunos, servidores e deficientes
Visando as Olimpíadas, Galeão estreia Píer Sul
Turistas poderão se hospedar em favela durante RIO-2016
Veja os 10 melhores hostels para se hospedar durante o RIO-2016