Publicado em 6 de novembro de 2014 às 16:04

Descubra 5 maravilhas no centro do Rio de Janeiro

Ao pensar em visitar o Rio de Janeiro o que vem à sua mente? Belas praias, Pão de Açucar, Cristo Redentor, Maracanã? Todos esses lugares são ótimos, mas ainda existem alguns outros pontos da cidade que você precisa descobrir, entre eles, o centro carioca.

Não deixe de visitar esses primeiros pontos turísticos, pois ainda que já estejam um pouco batidos, continuam sendo encantadores. Mas guarde um tempinho da sua viagem para conhecer locais tão incríveis quanto no centro da cidade. Seja porque são repletos de história, porque preservam o rio de antigamente que muitos não chegaram a ver, ou simplesmente porque são bonitos e merecem ser contemplados, não faltam lugares para visitar.

Confira 5 pontos do centro do Rio de Janeiro aos quais você precisa ir.

Confeitaria Colombo

confeitaria-colombo

Foto por A C Moraes com CC

Fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges de Meireles e Manoel José Lebrão, a
Confeitaria Colombo é um lugar para se deliciar com maravilhosos doces e salgados e, ao mesmo tempo, apreciar a beleza e toda a história do local.

Símbolo do que seria a Belle Époque carioca, era na Confeitaria Colombo que aconteciam diversos bailes e eventos culturais na virada do século XX. Visitá-la exigia roupas de festa, fazendo as mulheres usarem chapéus e vestidos, enquanto os homens colocavam ternos. Entre as figuras ilustres que já passaram por lá estão Villa-Lobos, Rui Barbosa, Lima Barreto, Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, além da rainha Elizabeth da Inglaterra e do Rei Alberto da Bélgica.

Eleita um dos 10 cafés mais belos do mundo, segundo lista do UCity Guides, a confeitaria possui um estilo art nouveau e conta, entre outros detalhes, com mobiliário em jacarandá, bancadas de mármore italiano, espelhos belgas e enormes vitrais e azulejos.

Os produtos feitos na confeitaria são impecáveis e muitos deles são servidos lá desde o início do século passado. Diversos itens do cardápio possuem uma receita própria da casa e muita história por trás. Exemplos disso são o Pão Blumenau, cuja receita foi criada por um funcionário que acabou se tornando um dos proprietários da casa, e a Maravilha de Camarão, salgado que antigamente era fabricado e vendido no 1º de abril recheado de algodão para que os clientes pudessem brincar com os amigos.

No segunda andar do estabelecimento está o Restaurante Cristovão, local onde são servidos pratos inspirados pelas culinárias portuguesa e espanhola. Além disso, existe uma unidade da confeitaria localizada no Forte de Copacabana. O chamado Café do Forte serve doces salgados, sanduíches e pratos. Porém, ainda que possua uma vista incrível, não tem um ambiente tão interessantes quanto o da confeitaria.

Endereço: Rua Gonçalves Dias, 32 – Centro/Rio de Janeiro – RJ.
Telefone: (21) 2505-1500.

Arco dos Teles


Escondido sob os prédios de número 32 e 24 da Praça 15 de Novembro está o Arco dos Teles, um dos últimos arcos restantes dos muitos que haviam na cidade. Dando passagem à travessia do comércio, ele possui em seu entorno um ambiente que reúne muita história e é, ao mesmo tempo, super atual.

Construído no século XVIII para ligar a antiga Praça do Carmo, atual Praça 15 de Novembro, à Rua da Cruz, atual Rua do Ouvidor, seu nome surgiu em referência aos Teles da Meneses, proprietários de prédios no local. O arco foi importante para a vida da cidade em diversos momentos, seja na época em que a sociedade carioca ia ao local para ver a imagem de Nossa Senhora dos Prazeres colocada em um nicho no interior dele, ou quando um incêndio destruiu a maior parte da residência dos Teles de Meneses. Patrimônio histórico da cidade, o Arco de Teles sobreviveu a uma época em que muito do centro carioca foi destruído para dar lugar a grandes prédios e, hoje em dia, preserva um pouco do centro antigo da cidade.

Passando o arco está a Travessia do Comércio, local formado por pequenas ruas e vielas cujo calçamento é feito com pedras e onde não circulam carros. A impressão passada é de que está presente lá um pedaço do Rio de Janeiro antigo. Na travessia existe uma série de bares e restaurantes bonitos, cujas construções possuem características do final do século XIX e começo do XX, criando no ambiente um clima muito legal. O espaço é interessante para realizar desde um almoço com a família ou um jantar mais requintado, até um happy hour com os amigos para beber uma cerveja no final da tarde, tudo isso enquanto se aprecia um pouco o clima de centro histórico.

Endereço: Praça 15 de novembro – sob os prédios de número 32 e 34 – Centro/Rio de Janeiro – RJ.

Theatro Municipal

Na segunda metade do século XIX ainda não havia no Rio de Janeiro um teatro bom o suficiente para a intensa atividade teatral que se desenvolvia na capital. Diante disso, muitos defenderam sua criação, entre eles o ator e empresário João Caetano e, posteriormente, o dramaturgo Arthur Azevedo. Assim, em 14 de julho de 1909 foi inaugurado o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, que viria a se consolidar como uma das casas de espetáculo mais importantes da América do Sul.

Até hoje, a bela construção localizada no centro carioca já recebeu grandes nomes nacionais e internacionais. Além disso, é a única instituição cultural brasileira a manter simultaneamente um coro, uma orquestra sinfônica e uma companhia de ballet.

Para comemorar o centenário do teatro, iniciou-se em 2008 uma grande reforma que restaurou o prédio, mantendo seu estilo original. A imponente fachada e as belas obras que se localizam no interior do teatro foram restauradas, voltando a ter uma aparência mais viva e grandiosa que havia se perdido um pouco com o passar dos anos.

Ao chegar em frente ao Theatro Municipal observamos uma construção monumental. Na fachada estão presentes uma grande escadaria de pedra, imponentes pilastras, três cúpulas douradas e uma águia de cobre que fica no centro do telhado, entre outros detalhes. Dentro chamam atenção, além do projeto arquitetônico, as obras de artistas renomados da época em que o teatro foi construído. O mais presente deles é Eliseu Visconti, já que são de sua autoria todas as pinturas da sala de espetáculos, como o majestoso pano de boca, maior tela já pintada no Brasil, e as pinturas presentes no foyer (teto e painéis laterais), consideradas uma obra prima da pintura decorativista no Brasil.

É possível conhecer o teatro indo assistir algum espetáculo realizado lá ou mesmo através de uma visita guiada, em que você descobrirá muito da história do local. Para entender melhor o funcionamento das visitas é só acessar o site.

Endereço: Praça Marechal Floriano, S/N – Centro, Rio de Janeiro – RJ.

Escadaria Selarón

escadaria-selaron

Foto por A C Moraes

A Escadaria do Convento de Santa Teresa, que liga a Rua Joaquim Silva à Ladeira de Santa Teresa, passou a ser conhecida como Escadaria de Selarón em homenagem a Jorge Selarón. O pintor e ceramista chileno foi erradicado no Brasil e dedicou muito de sua vida a decorar a escadaria, deixando-a colorida como ela é hoje.

Selarón vivia em uma casa próxima a ela e, já em 1990, começou a instalar na calçada algumas banheiras que, pintadas e cobertas de azulejos, viriam a formar uma espécie de pirâmide. A partir de 1994 o artista passou azulejar os degraus que estavam pintados de verde e amarelo por conta da Copa do Mundo.

Vivendo basicamente do dinheiro que obtinha com a venda de alguns quadros e com doações de moradores, Selarón sempre trabalhou sozinho. Conseguiu atingir sua meta de concluir os 215 degraus antes dos anos 2000 e, a partir disso, começou a ornamentar a região em torno das escadas. Assim, colocou azulejos nas paredes, calçadas e continuou a decorar as pirâmides de banheiras que ficam na entrada da escadaria.

Selarón queria que a obra fosse mutante, então alterou diversas vezes sua decoração. Para isso, contou com os azulejos que recebia de pessoas do mundo inteiro que admiravam seu trabalho. A variedade dos azulejos encontrados na escada hoje em dia é uma das coisas que mais encanta, já que é possível encontrar muitas peças interessantes e diferentes vindas de diversos países.

A escadaria foi tombada em 2005, ao mesmo tempo em que Selarón, conhecido também por sua paixão pelo Brasil, recebeu o título de cidadão honorário do Rio de Janeiro. Sua criação é um dos pontos mais legais e coloridos do centro carioca, impressionando qualquer um que passe por lá. Além disso, nela também é possível observar a mulher negra grávida, marca do artista presente em muitas de suas obras.

Famosa no mundo todo, a escadaria já foi mostrada em documentários, revistas e jornais, já apareceu em clipes de artistas como Snoop Dog e U2, além de ter sido cenário para um ensaio fotográfico da revista Playboy americana.

Endereço: Rua Manuel Carneiro – Santa Teresa, Rio de Janeiro – RJ.

Igreja de Nossa Senhora da Candelária

Segundo conta uma história semi-lendária, durante viagem até o Rio de Janeiro, o barco onde estavam Antônio Martins de Palma e sua esposa Leonor Gonçalves foi atingido por uma forte tempestade, fazendo os dois prometeram que ergueriam uma igreja em homenagem a Nossa Senhora da Candelária se sobrevivessem. Sãs e salvos, construíram em 1634 uma pequena capela na Praça Pio XI que daria origem a belíssima Igreja de Nossa Senhora da Candelária.

Desde que a capela foi construída ela passou por uma série de reformas e ampliações até se tornar a construção imponente que é hoje. Considerada uma obra de arte brasileira, ela possui um belo projeto arquitetônico, tem uma decoração interna exuberante e uma linda fachada que mistura trechos pintados de branco com granito escuro, possui diferentes perfis de janelas e um frontão clássico.

A decoração do interior da igreja segue o estilo neorrenascentista italiano. Seu revestimento foi desenhado por Paulo de Freitas e Heitor de Cordoville. Já as pinturas murais presentes em seu interior foram feitas por João Zeferino da Costa, com ajuda de outros excelentes pintores, e são consideradas suas obras-primas. Também são de sua autoria os seis painéis localizados no teto da nave que contam a história da igreja.

Não é necessário ser uma pessoa religiosa para gostar de uma visita à Candelária. A beleza da construção já justifica o passeio e o local abriga também um museu sacro e uma biblioteca, além de receber, por vezes, concertos de música erudita e clássica. Outro ponto que torna a igreja interessante é que ela não é marcada apenas pela história antiga, mas por acontecimentos recentes, como o Comício da Candelária, que se deu no movimento das Diretas Já e a trágica Chacina da Candelária.

Endereço: Praça Pio X, s/n – Centro, Rio de Janeiro – RJ.